Durante o mês de julho – período de férias escolares – muitas famílias anapolinas arrumam as malas e vão para beiras de rios para acampar e pescar. É justamente nesta época em que muitos estabelecimentos comerciais aproveitam a grande procura por itens de camping e pesca esportiva, para abusar dos preços. Pensando nisso, a Secretaria Municipal de Defesa do Consumidor (Procon) realizou um levantamento que apontou uma variação de preço de até 480% em alguns produtos.

O item em questão é a lanterna recarregável que em um lugar estava sendo vendida a R$ 11, 90, sendo que, em outro estava R$ 69,00.  O segundo produto que houve maior variação foi o chapéu de pescador com proteção, com 400%. O menor valor encontrado foi R$ 10,00 e o maior R$ 50,00. O anzol da marca Marine Sport Chinu com trinta unidades – nº 8 foi o terceiro item da lista que apresentou maior diferença de preços, com 250%. O menor valor registrado foi R$ 4,00 e o maior R$ 14,00.

A pesquisa, foi realizada entre os dias 18 e 20 de junho, em dez estabelecimentos comerciais da cidade. No total, foram 95 produtos catalogados, entre eles: barracas, anzóis, lanternas, colchonetes, fogareiros, molinetes e varas de pescar.

“O levantamento é fundamental e é até um dever de casa obrigatório, pois é incontestável a variação de preços de um local para outro. O consumidor pode confiar”, disse o secretário municipal de Defesa do Consumidor, Robson Torres.

A pesquisa

Com base na diversidade de preços adotada individualmente pelos diversos estabelecimentos, definiram-se alguns parâmetros para a realização da pesquisa. A coleta de preços foi feita pelos técnicos do órgão, in loco, com acompanhamento de um responsável de cada estabelecimento atestando, por meio de assinatura, a veracidade das informações prestadas. Os estabelecimentos pesquisados foram escolhidos aleatoriamente, distribuídos pelas várias regiões do município.

Devido a peculiaridades de cada produto – mesmo em se tratando de mesma marca –, a pesquisa avaliou modelos diferentes – quando existentes –, que sirvam de sugestão para diferentes tipos de gostos.

Orientações

O Procon Anápolis recomenda que todo material publicitário seja lido com atenção e guardado pelo consumidor para que, o caso haja a necessidade de registrar alguma reclamação,  servirá como provas. Produtos expostos em vitrines devem ter o preço bem fixado e visível, assim como as condições de pagamento.

Vale lembrar que produtos importados também estão sujeitos às normas do Código de Defesa do Consumidor (CDC) e por isso, devem ter informações claras, precisas e em língua portuguesa, bem como a identificação completa do fornecedor e importador. “Esta última é de suma importância para a devida identificação de todos os responsáveis por eventuais vícios do produto”, explicou o secretário municipal de Defesa do Consumidor, Robson Torres.

Compras feitas por telefone, internet, catálogo ou de qualquer outra forma que seja fora do estabelecimento comercial, podem ser canceladas dentro do prazo de arrependimento, que é de sete dias contados a partir da data dos recebimentos do produto, como determinado pelo CDC. O pedido de cancelamento da compra deve ser feito por escrito para comprovação. Para efetuar reclamação de vício o prazo legal ainda segundo o código é de 30 dias para produtos não duráveis e de 90 dias para os produtos duráveis.

Robson ainda reforçou a que todos os produtos devem ser pesquisados, por comparativo de marca e modelo, para uma boa análise de variação de preços, pois de fato existe diferenças consideráveis entre produtos. Além disso, a qualidade é um ponto importante durante a escolha, já que pode evitar problemas futuros e situações desgastantes apenas pela má escolha do produto.

Dicas importantes

Tanto para novatos como para os mais experientes, é sempre bom estar atento aos itens que são imprescindíveis, como: lanterna de boa qualidade e pilhas de boa durabilidade; repelente apropriado; camisa branca de manga longa para quem quer passar o dia pescando; protetor solar; colchão inflável; barraca adequada ao número de ocupantes, inclusive ao colchão correspondente, e até para acomodar mochilas e outros acessórios; óculos de sol, que além da proteção ocular contra os raios de sol, também protegem os usuários de iscas artificiais, evitando acidentes envolvendo as lâminas destas iscas; coletes salva-vidas imprescindíveis para quem for andar de barco, lancha, jet-ski ou similar; manutenção prévia do motor de popa; equipamentos de primeiros socorros.

Precauções

A pesca noturna deve ser feita apenas quando se tem experiência, e quando for este o caso, deve-se dar preferência para locais próximos ao acampamento, sempre rio acima, pois caso haja a necessidade do uso de remos, fica mais fácil de retornar. Deve-se evitar ao máximo a exposição exagerada ao sol, e caso ocorra insolação, é aconselhável um banho frio e o uso de creme hidratante nas partes afetadas.

Pesquisa

Fonte: Ascom – Prefeitura de Anápolis