Diferente de um resfriado, gripe  é uma doença séria. Todos deveriam, anualmente, tomar vacina contra a influenza para evitar que o vírus entre no corpo e faça estragos. Integram o grupo prioritário da campanha pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, estão mais susceptíveis às consequências negativas da doença, que pode levar à pneumonia e até mesmo à morte. Quanto mais frágil o indivíduo, maior a importância de se vacinar.

Quem faz parte do grupo prioritário da vacinação contra a gripe e ainda não se imunizou tem um tempinho a mais para se proteger contra o vírus. Devido à baixa procura, o Ministério da Saúde, decidiu prorrogar até 9 de junho, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. As vacinas estão disponíveis em todas as unidades de saúde do município. Em Anápolis, a meta é imunizar 95 mil pessoas até o fim da campanha.

Veja alguns mitos e verdade sobre a vacinação contra a gripe:

1 – Gripe pode ser grave e levar à morte
A gripe, em muitos casos, pode ser grave. Ela não é apenas um resfriado convencional e traz consequências sérias ao grupo de risco, que são os menores de cinco anos e maiores de 60, além das mulheres grávidas.

2 – O vírus sofre mutação constante e a vacina fica obsoleta
Se você se vacinou ano passado, é preciso repetir a dose em 2015, já que o vírus da gripe tem um poder de mutação bastante elevado. Ou seja, o vírus que estava circulando ano passado é diferente do desse ano, e a vacina antiga não tem mais eficácia.

3 – Gripe pode causar pneumonia viral e bacteriana
O vírus da influenza pode causar a pneumonite viral. Além disso, uma infecção por esse vírus pode deixar o pulmão susceptível a infecções bacterianas, causando uma perigosa pneumonia bacteriana.

4 – Vacina não causa gripe ou sintomas
Dizer que ao tomar a vacina há risco de contrair a gripe é um dos maiores mitos em torno da imunização. A vacina é feita com vírus mortos e fracionados. É impossível uma pessoa tomar a vacina e ter gripe por causa dela.

5 – Protege mulheres grávidas, que deram à luz recentemente e bebês
A mulher grávida tem a imunidade diminuída durante os nove meses gestacionais, por isso a importância da vacinação. Depois que ela deu à luz, no entanto, a vacinação na mãe protege indiretamente o bebê, já que não é permitido vacinar crianças menores de seis meses. Como a mãe é a pessoa que tem mais contato com o bebê, protegê-la da gripe impede que o bebê também a contraia.