De acordo com o jornal Daily Mail, um documentário feito sobre o DJ Avicii, que faleceu na semana passada, mostra que o sueco alertou muitas vezes para seus agentes que seu ritmo de turnê acabaria o matando. Avicii, cujo nome verdadeiro era Tim Bergling, foi encontrado morto na cidade de Muscat, Omã, na sexta-feira (20), com apenas 28 anos.

No documentário “Avicii: True Stories”, o músico diz que “vai morrer” se não parar de se apresentar. Levan Tsikurishvili, amigo de longa data de Avicii, filmou o artista por quatro anos, narrando sua ascensão explosiva e também segue Avicii quando ele tomou a decisão de se aposentar de performances ao vivo, em março de 2016.

De acordo com o jornal britânico, Avicii estava sendo pressionado a continuar trabalhando, apesar dos problemas de saúde mental e de uma batalha contra o abuso de álcool. O cachê do DJ era de US $ 250.000 por noite quando se apresentou em shows esgotados, de acordo com GQ, e já foi nomeado como um dos DJs mais bem pagos da Forbes.

‘Quando decidi parar, esperava algo completamente diferente. Eu esperava apoio, especialmente considerando tudo o que passei. Eu tenho sido muito aberto com todos com quem trabalho e com todos que me conhecem. Todo mundo sabe que eu tive ansiedade e que eu tentei. Eu não esperava que as pessoas tentassem me pressionar a fazer mais shows. Eles viram como eu me senti mal ao fazer isso, mas eu tive um monte de retração quando eu queria parar de fazer shows.”, diz Avicci no documentário.

Avicii tinha sido aberto sobre seus problemas de saúde mental – ou seja, ansiedade – e uso de álcool para ajudá-lo a lidar com sua timidez e não gostar de ser o centro das atenções. Aos 21 anos de idade, ele foi diagnosticado com pancreatite aguda – uma inflamação potencialmente fatal do pâncreas – devido em parte ao consumo excessivo de álcool. Em 2014, Bergling foi novamente hospitalizado e forçado a remover sua vesícula biliar e apêndice. Ele diz no documentário: “Eu disse a eles: não vou mais poder tocar. Eu disse, eu vou morrer. Eu já disse isso muitas vezes. E então eu não quero ouvir que devo pensar em fazer outro show.”

O documentário também mostra Bergling durante uma reunião em Las Vegas, já tendo anunciado que ele deve se aposentar, e dizendo aos seus empresários que a ideia de fazer seus últimos shows está deixando ele em pânico. De acordo com o Expressen, ele pode ser ouvido dizendo: “Vou entrar em pânico, vou entrar em pânico, de verdade, não vou conseguir, não vai funcionar”.

A causa da morte do DJ ainda não é conhecida, mas as autoridades de Omã dizem que descartaram qualquer atividade criminosa. Acredita-se que ele tenha estado em Omã de férias com amigos, e várias pessoas que o encontraram durante sua estada em Mascate o descreveram como feliz.