Diversos estabelecimentos comerciais têm o costume de trancar produtos mais caros, com o objetivo de evitar furtos. Em alguns mercados é possível ver, por exemplo, equipamentos eletrônicos fechados em prateleiras de vidro, que são destrancadas por funcionários quando algum cliente vai levar o produto. Agora, devido a alta do preço, um supermercado de São Paulo, tomou a decisão de trancar os potes de creme de avelã — popularmente conhecidos pela marca Nutella.

Segundo informações publicadas pelo jornal Folha de São Paulo, além da Nutella, a rede de 15 lojas do supermercado Chama também passou a deixar as carnes embaladas a vácuo na vitrine próximas aos balcões de atendimento, ao invés de deixar nas prateleiras refrigeradas.

De acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), os furtos nos estabelecimentos pelo país geraram um prejuízo de R$ 3,2 bilhões no setor em 2021 — que representa 15% das perdas de 2020.

Os produtos que apresentaram maior número de furtos foram carne, queijo, cerveja, refrigerantes, desodorantes, pilhas e ela, a Nutella. “O índice de furtos indica um agravamento da questão socioeconômica e, de certa forma, está fora do nosso controle”, afirmou Márcio Milan, vice-presidente da Abras, à Folha.

Caso em Goiás
Em junho de 2019 um homem foi preso em Uruaçu, região Norte de Goiás, após ser flagrado furtando potes de Nutella em um supermercado do município. Segundo o responsável pelas investigações, o delegado Rafhael Barboza, os crimes eram quase diários em um só estabelecimento.

Só em maio daquele ano, de acordo com registros da Polícia Civil (PC), a estimativa é de que o homem tenha causado um prejuízo de R$ 1 mil ao comércio.